Os mascarados

ARTIGO - RUBENS RODRIGUES DA SILVA


Dia desses um amigo me falou que não tem visto mais gente feia e nem desdentada. Na hora percebi o que está acontecendo, mas não falei nada para não deixá-lo chateado. Já aconteceu comigo. Estava num mercado quando a moça do caixa, já conhecida minha, disse: — Nossa, seu Rubens, o senhor fica muito mais bonito com máscara. Pensei em várias respostas para dar a ela, mas me contive. Acontece que, por tabela, ele me chamou de feio, no que ela também está certa.

Então é isso que está acontecendo hoje, tem muita gente torcendo para que não acabe o uso da máscara — eles querem que vire moda. São os feios, os desdentados, os narigudos e os caras de pau. É como no inverno. É muito bom para as mulheres quando é época de frio, pois não se vê mulher feia. Eu acho muito bonito ver as moças, senhoras e até idosas usando casacos, botas, cachecol, luvas, e agora, máscara. Todas ficam lindas. Eu sempre gostei desse visual, por isso sempre gostei do inverno.

Até os homens ficam com outro visual. Tem aqueles que olham nos outros com ironia, desprezo, com sarcasmo e inveja, então eles estão gostando de usar máscaras. Têm certas pessoas que dá asco olhar pra cara delas, mas com a máscara é diferente — elas sabem disso, sabem que são seres desprezíveis, que ninguém gosta de olhar pra cara delas. Como tem gente assim, é incrível! Isso me faz lembrar aquelas fotos antigas, com grandes aglomerações, no início do século XX, quando todos usavam chapéu e paletó, geralmente branco, guarda-chuva e bengala. As mulheres usavam grandes chapéus com uma cesta de frutas em cima.

Mas voltando ao assunto da máscara, dia desses estava frio e vi na praça uma senhora muito bem vestida — botas, calça, um belo casaco, luvas e máscara, tudo preto. E, claro, achei muito lindo, pois até o carro era preto. Não pude ver o seu rosto, mas acho que era muito simpática, pois ela me cumprimentou. Nunca mais a vi, pode até ter passado por mim com outra roupa e sem máscara.

Na verdade tem gente que já nasce mascarado — gente que não é nada, mas se acha, principalmente se tiver um carguinho e algum amigo importante. Oh nojo! Enquanto isso, nós, os feios, estamos felizes colecionando máscaras.